Dia da Mulher !

Dia da Mulher !

todo-dia-nao-e-dia-da-mulher-e-preciso-ter-consciencia-diz-professor-noticias

Outro dia vi no face book um post que  perguntava algo assim: se os direitos são iguais, por que os negros têm direito a cotas nas universidades? Logicamente que esta pessoa não pensou nos séculos de exclusão a que os negros foram submetidos em nossa cultura !

Parece-me que o mesmo acontece com as mulheres. Já ouvi comentários jocosos sobre o fato de não existir um ” Dia do Homem”. As mulheres, assim como os negros, também passaram séculos excluídas de direitos básicos na sociedade e foram, pouco a pouco conquistando espaços sociais timidamente, tais como o de estudar, trabalhar fora de casa, votar, ingressar no serviço militar, dentro outros.

Hoje a mulher pode comemorar o direito de  escolher se vai ter filhos, pois a maternidade não  é mais a única fonte de sua realização ! Pode escolher ter filhos independentemente de ter um parceiro, como é o caso da reprodução assistida com doação de sêmen em clínicas especializadas neste procedimento.

Por isso, é preciso comemorar o  Dia da Mulher, pois a data serve para ressaltar o papel feminino na sociedade em que vivemos. 

De acordo com a Psicopedagogia a mulher joga um papel crucial em relação ao conhecimento. Ela possui um saber único, relacionado com a concepção, a gravidez e o parto. Somente a mulher detém este conhecimento e somente ela pode indicar, para o homem, a paternidade. Mesmo em tempos de exames de DNA, o homem precisa realizar o teste e , geralmente, só o faz quando a mulher o indica como pai da criança que traz em seu ventre.

Esta posição epistemológica marca o feminino e sua relação com a aprendizagem. Daí o fato de os consultórios psicopedagógicos receberem muito mais pessoas do sexo masculino com problemas ou dificuldades de aprendizagem.

Para refletir :

as mulheres sabem

Ninguém nasce mulher, torna-se mulher” ( Simone de Beauvoir)

Essa frase explica muito bem a questão do papel social feminino, imposto pela sociedade. “A mulher não nasce mulher, ela nasce fêmea”, e deveria poder escolher se deseja assumir o papel social de homem ou de mulher. Isso quer dizer que ela tem tantos direitos quanto o sexo masculino e datas comemorativas como esta chamam a atenção para a realidade social em que muitas das mulheres, apesar das conquistas já efetivadas, ainda passam, tal como a violência doméstica em nosso país.

Um abraço a todas as mulheres !

Júlia Eugênia Gonçalves
Júlia Eugênia Gonçalves
Psicopedagoga há 37 anos, com formação em mestrado pela UFF./RJ. Carioca, moro em Varginha/MG desde 1996, quando fui contratada pela UEMG para participar de um projeto de formação de professores, depois de ter me aposentado da rede pública federal, onde atuava como docente no Colégio Pedro II. Pertenci ao Conselho Nacional da ABPp de 1997 a 2010. Presido a Fundação Aprender, em Varginha, instituição pública de Direito Privado, sem finalidades financeiras e de utilidade pública.Atualmente tenho me especializado em EaD e suas interfaces com a Psicopedagogia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>